RECORDAÇÕES...

Recebi no dia 30 em pleno relvado do novo Estádio Municipal de Braga, juntamente com mais de 4 centenas de associados do SCB a medalha de 25 anos de associado deste enorme clube que é o Sporting Clube de Braga, naquele momento muita coisa me passou pela cabeça e é isso que quero partilhar.

Não são 25 anos que me ligam a este grandioso clube …. São muito mais …

Lembrei-me das cartas que enviava a meu falecido pai, então emigrante na Alemanha correria o ano de 1973, teria então 8 anos de idade e juntamente com aquilo que todos dizíamos “gosto muito de ti” eu lá escrevia “o Braga ganhou ao Chaves” e lá acrescentava “para subirmos para a 1ª divisão teremos que ganhar o próximo jogo”

Recordei a subida de à 1ª Divisão em 1974 e da Festa que foi em toda a cidade de Braga.. E lembro-me como fosse hoje o jogo de apuramento do campeão da primeira Divisão em Coimbra que perdemos com o Estoril, mas nesse dia senti o que é ser Bracarense e ter nascido nesta grandiosa cidade.

Reproduzir na minha memória o que senti quando o meu pai me escreveu como associado do Sporting Clube de Braga, e apesar de já não ter o primeiro cartão de associado, lembro-me perfeitamente do Numero - 15 096

Recordei que com o correr dos anos o sentir e o amar o SCB foram se alicerçando à minha volta, quando já na Escola Secundária os meus colegas tinham dois Clubes o Braga e um grande eu só sentia um Clube o Enorme SCB.

Evoquei para mim mesmo a Final do Jamor com o Sporting que perdemos, mas ganhei para mim um maior amor ao SCB.

Lembrei-me da Juventude Bracarense que ajudei a criar e que cheguei a ser o Numero dois, das tardes gloriosas que na época 84/85 que ao percorrer o pais vestido de vermelho e branco nunca foram acusados de anti desportivismo, de assaltos a estações de serviço, de chamarem fdp aos adversários, etc, etc, pois tínhamos todos um objectivo dignificar o SCB e a cidade de Braga.

Rememorei as discussões que tinha com um colega da Universidade, Vitoriano (Guimarães) que à Segunda Feira tinham lugar.

Lembro-me de namorar e impor como regra que quando o Braga jogasse não havia namoro ….

Recordei o que sofri quando em 1993/94 o Braga esteve até à ultima jornada na corda Bamba para descer de divisão – aquele Domingo quase fatídico em que me meti no automóvel e percorri sozinho dezenas ou quase centenas de Kms desligando ou ligando o rádio para seguir os resultados … e quando o Braga já perdia na Madeira e o Paços de Ferreira ganhava no Sporting e o meu coração batia desmesuradamente e dos meus olhos já saíam lágrimas e quando já soluçava … o Sporting deu a volta ao resultado e este encontro terminou, senti nesse momento quanto eu amava uma agremiação desportiva, mas não era só um clube aquilo que eu estimava era muito mais … era uma cidade que eu também gosto e que o Braga muito bem representa.
 

Lembro-me da Final da Taça com o FCP na época de 1997/98, quatro dias antes de nascer a minha única filha e estando no Jamor pensava nela e no SCB
 

Recordo o dia em que escrevi como Sócia do SCB a minha filha e dos seus olhos brilhantes mostrando aos familiares o seu cartão de Sócio …

Senti tristeza neste dia glorioso para mais de 30 000 Bracarenses por o meu pai ter falecido uns anos antes e não estar nessa festa gloriosa que foi a Inauguração do Estádio mas… transbordei de alegria quando olhando para a minha filha que apesar de ter só 5 anos já sente e vibra o vermelho e branco do equipamento do enorme Sporting Clube de Braga …

ANTÓNIO JOÃO LOPES
04-01-2004