ATLETISMO
Manuel José Castro Lopes, Director da secção de Atletismo do Sporting Clube de Braga

 Superbraga (SB) - O Atletismo do SCB ainda é relativamente desconhecido dos adeptos bracarenses, quando comparado com o futebol. Não nos quer descrever o Atletismo do SCB?  

Manuel Lopes (ML)- Antes de mais, o Atletismo do SCB não é desconhecido dos adeptos. Tivemos grandes atletas como Conceição Ferreira, Albertina Machado, que fizeram excelentes marcas. Por isso, os adeptos do SCB conhecem o atletismo. Nesta fase talvez não tenhamos valores que dêem a conhecer à massa associativa o real valor do Atletismo, mas a curto prazo iremos ter boas atletas no SCB.

SB - Em termos de número de atletas tem havido crescimento?

ML – A juventude tem aderido muito, mas mesmo muito ao Atletismo do SCB. Logicamente que nem todos são bons, digamos assim, temos feito uma selecção daqueles que há priori nos dão garantias de que vão evoluir, em termos de Atletismo, encaminhando-os para uma formação que lhes permita atingir o apogeu no Atletismo do SCB.  

SB – Esse crescimento quantitativo, terá mais a ver com um aumento da procura por parte do SCB, ou com um aumento da oferta por parte da população, das escolas, etc.?

ML – Digamos que se verificam as duas coisas. Há professores que trabalham connosco, nas escolas secundárias e quando vêm um atleta que pode interessar ao SCB, convidam esse atleta a inscrever-se no clube. Por outro lado,  há uma grande procura por parte dos jovens, no sentido de praticar desporto e, nesse contexto, aliamos as duas coisas e procuramos formar atletas. Porque há muita gente que pensa que o Atletismo é só correr. O Atletismo tem, efectivamente, provas para correr mas tem também provas técnicas. Falando em escalões, o SCB tem todos os escalões: seniores, juvenis, infantis...

SBMasculino e feminino em todos os escalões...

ML – Sim. O Sporting de Braga tem que ter tudo. Lógicamente, a aposta do SCB é no Atletismo feminino.

SB - Acha que as modalidades, nomeadamente o Atletismo, são nos clubes portugueses relegados para segundo plano nas prioridades?  É assim também no SCB?

ML – Eu não digo para segundo plano, mas que, de certo modo são postas de lado, isso são. Mas isso é fruto do país em que estamos inseridos. O desporto rei é o futebol, a prioridade numero um é o futebol, é o que dá audiências em termos televisivos, em termos de jornais, etc. No SCB, à parte do futebol vem o atletismo, mas não em segundo lugar. Isto tem a ver com os êxitos alcançados há uns anos atrás que fazem do Atletismo uma modalidade muito querida dos adeptos do SCB.  

SB Pensa que se pode implementar no SCB um projecto mais ambicioso que o leve de volta aos grandes palcos europeus? Ultimamente tem havido um certo decréscimo ao nível dos grandes resultados...

ML Isso é sempre possível desde que haja material humano e apoios. Quando falo de apoios refiro-me a patrocínios, em termos de condições, digamos assim. Por isso, é possível... Mas para ser possível é preciso termos material humano e se vocês repararem, em Portugal, em termos de meio fundo e não só, os atletas estão a escassear. Nos 3111 metros temos a Fernanda Miranda. Quando ela acabar, não vejo quem lhe possa suceder; nos 1511 metros temos a Carla Sacramento. Quando ela acabar, não sei quem vamos ter. Portanto, isto verifica-se a nível geral, não podemos pedir mais ao SCB. Estamos a trabalhar lentamente, como já disse atrás, vão surgir bons valores no nosso clube, temos é que dar tempo ao tempo.

SB Portanto, o grande entrave é a falta de material humano. Apenas?

ML – Sobretudo de apoio. Principalmente de um patrocínio, que nos fizesse pensar em mais um bocadinho além daquilo que já temos.  

SB Porque é que não aparecem esses apoios?

ML – Isso é uma boa pergunta. Possivelmente porque o Atletismo não está em voga...

SB O Atletismo não está na moda, é isso?

ML – Exactamente, vejam o exemplo do futebol, com o Euro 2114. Enquanto isso, os orgãos de comunicação não fazem referência ao atletismo como deveriam fazer. Os agentes que patrocinam não se sentem motivados...

SB ...não há retorno...

ML – Estou convencido que o Atletismo do SCB tem retorno. É uma questão de fazer as contas, mas aqui há tempos tivemos a Nissan como patrocinador do SCB; na altura fez-se uma espécie de contabilidade do tempo e do espaço na Comunicação Social e segundo afirmavam os próprios administradores, o patrocinador era compensado, pelo que se via nos jornais. Os jornais locais dão muito destaque ao Atletismo, o jornal A Bola também lhe dedica algum espaço. Logicamente que se tivéssemos uma atleta como a Fernanda Ribeiro, eram capazes de aparecer mais patrocinadores.

SB E o SCB não pode ter aqui uma Fernanda Ribeiro?

ML Não devemos estar muito longe disso.

 SB A Jéssica Augusto é uma candidata...

ML A Jéssica Augusto é uma das que pode vir a ser. Mas não podemos esquecer que ela tem vinte anos. É muito nova. E em termos de Atletismo, quando se tem uma certa experiência e maturidade é, regra geral, a partir dos vinte e oito, no mínimo vinte e cinco anos. A Jéssica Augusto é uma excelente atleta mas ainda é muito nova.

SB Há outros tipos de carências no SCB?

ML Falta-nos uma pista de corta-mato, por exemplo.

SB E quanto às disciplinas técnicas, como os lançamentos?

ML Nisso temos que louvar os técnicos, que, com os poucos meios que têm, vão improvisando a prática dessas modalidades mais técnicas.

SB Para essas disciplinas, também há falta de relvados...

ML Há sempre limitações. Somos sempre condicionados, ou porque se estraga o relvado do 1º de Maio, ou porque a equipa de futebol tem que treinar... Mas, sobretudo, o que nos falta é uma pista de corta-mato.

 SB - Tem o SCB algum tipo de protocolo ou parceria com escolas da região, ou com a U.M.?

ML – Com a UM não temos. Se algum atleta quiser frequentar o ginásio, pode fazê-lo com a prévia autorização do reitor. Com as escolas, temos os professores, que como já disse, nos dão um certo apoio, em termos de acesso dos atletas ao clube.

SB Acha que era importante a cidade de Braga organizar um meeting de Atletismo? Porque é que não o faz?

ML – Era importante sim. Nós temos o exemplo do Maratona, que organiza a meia maratona de Lisboa, com grande sucesso, mas para fazer isso tem que haver patrocinadores que queiram investir, porque os atletas com boas credenciais tem que ter um bom cachet. Muito sinceramente, acho que o SCB, como organizador, não tem meios. Não me refiro propriamente à capacidade financeira mas...

SB à capacidade organizativa...

ML - Exactamente. Era preciso alguém que aparecesse com os devidos apoios para organizar o meeting. Mas era importante, sem dúvida! Mas veja só os meios que envolve, por exemplo, a meia maratona de Lisboa!

SB A transmissão televisiva condiciona a realização ou não de qualquer evento...

ML – Não digo que condiciona. Digo que proporciona o aparecimento de patrocinadores, que se sentem mais motivados. Eu estou convencido que se as empresas aqui de Braga se aliassem, digamos assim, para realizar uma prova dessas, penso que podíamos fazê-lo.

 SB - O SCB habituou-nos a muitas conquistas desportivas. Hoje anda arredado dos pódiuns...Porquê?  

ML – Isso é totalmente falso. Somos campeões em juniores e em juvenis.  

SB Mas em séniores descemos de divisão...

ML – Mas subimos outra vez. Logicamente o Sporting de Braga não está habituado a isso, nem nunca esteve e daqui para a frente não vai descer mais; estou convencido disso. Foram percalços que aconteceram. Por exemplo, tínhamos uma atleta nos 111 metros barreiras que teve o azar de se lesionar. Tínhamos várias atletas em condições de pontuar. Mas tivemos que meter atletas jovens porque as seniores estavam lesionadas. Tivemos que recorrer à juventude, atletas com dezasseis anos e nestas provas elas sentem-se nervosas, porque vão concorrer com atletas que já andam no atletismo há muitos anos. Houve uma onda de lesões que prejudicou claramente o SCB.

SB - O SCB é uma referência no Atletismo Feminino. Quais as razões para não o ser em Masculinos?

ML Aí entra o factor financeiro. Claro que gostaríamos de ter um Braga forte no masculino e no feminino. Mas tivemos que optar. Apostamos no feminino, que é a tradição do SCB, tentando constituir uma equipa masculina, dando formação aos miúdos e tentando, daqui a dois ou três anos, ter uma equipa masculina tão forte como a feminina.

SB O SCB tem tido excelentes atletas nas disciplinas de fundo. Porque é que não aparecem atletas do mesmo nível nas disciplinas técnicas?

ML Nós temos um atleta júnior, que é recordista nacional. Estamos a apostar nisso, agora é preciso dar tempo ao tempo, os valores vão surgir. Não podemos fazer tudo no mesmo dia. Os valores vão aparecer, vamos agarrá-los. É o que o SCB está a fazer, a captar esses jovens que têm potencial e dar-lhes todo o apoio. É um bocado difícil mas vamos tentar mantê-los no SCB o máximo de tempo possível.

SB O SCB aposta muito na formação. Que garantias temos de que os melhores atletas vão permanecer no SCB e não vai acontecer, por exemplo, como no futebol, com jovens a abandonar o clube aos 17 anos?

MLGarantias não temos nenhumas. Os atletas jovens não têm qualquer contrato com o SCB. Mas temos o caso da Jéssica Augusto, que é uma aposta do SCB, temos o exemplo da Laura Silva, que é campeã em juniores, também uma aposta do SCB, temos a Alexandra Silva e outras. Muitas atletas já tiveram propostas de outros clubes, para receberem mais dinheiro e há atletas aí que nem sequer recebem dinheiro e porque é que não vão para outros clubes? Isso tem muito a ver com o espírito de grupo. Nós temos no Atletismo um espírito de grupo muito coeso. Toda a gente se dá bem e isto motiva as atletas a continuar no clube, a defender as cores do SCB. Temos uma relação óptima com os atletas. Por vezes há provas que não correm bem e elas ficam chateadas, revoltadas e isso prova que elas gostam daquilo que estão a fazer, gostam da camisola e não vão para outros clubes por ir. Ou há uma grande aposta, ou então trocar o SCB por um Porto ou Benfica, isso não vale a pena.

SB Quer fazer algum comentário sobre as recentes reestruturações ao nível organizativo, nas modalidades amadoras do SCB?

ML Eu só posso falar do Atletismo, que é o que conheço. Em relação ao Atletismo, a estrutura mantém-se praticamente a mesma. A única modificação que houve foi a saída do vice-presidente Fernando Arménio e a entrada do senhor Ramôa. E entrou o Tinoco Marques para Director. No Atletismo temos então três directores e um vice-presidente que é o Ramôa. A vinda do Tinoco e do senhor Ramôa foi excelente. São excelentes. O Tinoco pertence ao Comité Olímpico, digamos que tem uma visão mais ampla daquilo que é o Atletismo, em virtude da experiência que tem, já deu muito tempo ao Atletismo. São pessoas que conhecem muito bem o Atletismo, o que é óptimo.  

SB Mas... três Directores? Não é muito? Como é que se entendem? Quais são as delimitações, as fronteiras no campo de acção de cada um?

MLTodos nós temos os contactos dos telemóveis. Em termos de tarefas, eu trato de uma determinada área, o Tinoco de outra e o Zé Carlos de outra. E o senhor Ramôa trata da área. Todos nós nos entendemos perfeitamente. Tudo está devidamente estruturado. Temos reuniões em que planeamos o que se vai fazer durante a semana.

 SB Trabalhou com as duas direcções. Nota alguma diferença, em relação à atenção dada ao Atletismo?

MLAmbas as direcções são viradas para o Atletismo; ambas se preocuparam com a modalidade. Mas em termos de impacto, de querer mais e melhor, em termos de arranjar patrocínios para o Atletismo, esta direcção está a trabalhar nisso. A outra direcção não era tão agressiva. Estes são mais activos e isso vê-se nos jornais, no Correio do Minho e Diário do Minho. Ambas as Direcções foram muito boas para o Atletismo mas esta tem-se esforçado mais por divulgar a modalidade junto dos adeptos.

 SB – Finalmente, uma pergunta mais familiar: conhece o Superbraga.com?

MLConheço sim.

SB – Gostava de deixar aqui alguma mensagem aos frequentadores do site e do fórum?

MLEsse tipo de iniciativas deve continuar. Porque é no fórum que se discutem ideias, muitas vezes transbordam cá para fora e ajudam-nos a corrigir o que está mal. Espero que continuem assim.

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

 José Araújo e Manuel Cardoso , 22 de Agosto de 2003

...Não devemos andar muito longe de ter uma fernanda Ribeiro...

... Braga merecia um grande Meeting de atletismo...

...Há sempre limitações. Somos sempre condicionados, ou porque se estraga o relvado do 1º de Maio ou porque a equipa de futebol tem que treinar... Mas, sobretudo, o que nos falta é uma pista de corta-mato...

 

 

...Somos campeões em juniores e em juvenis...

 

 

...Apostamos no feminino, que é a tradição do SCB, tentando constituir uma equipa masculina, dando formação aos miúdos e tentando, daqui a dois ou três anos, ter uma equipa masculina tão forte como a feminina...

 

 

 

Nós temos no Atletismo um espírito de grupo muito coeso. Toda a gente se dá bem e isto motiva as atletas a continuar no clube, a defender as cores do SCB

 

 

 

O Tinoco pertence ao Comité Olímpico, digamos que tem uma visão mais ampla daquilo que é o Atletismo, em virtude da experiência que tem, já deu muito tempo ao Atletismo